No ar 24 horas por dia

Gibiteca do Espaço Cultural Renato Russo será reaberta nesta quinta (21)

Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Agora batizada de TT Catalão, local recebe exposição com trabalhos de 25 artistas até 5 de junho

O “templo dos quadrinhos” vai reabrir no dia em que Brasília completa 62 anos, nesta quinta (21), às 15h, em cerimônia com participação da Orquestra Popular Marafreboi. A expressão – recuperada no texto de parede do jornalista Celso Araújo para uma mostra comemorativa da recuperação da gibiteca – denota a forma solene pela qual fãs dessa arte já se referiam à seção da antiga Biblioteca de Artes Ethel Dornas no Espaço Cultural 508 Sul, nome do equipamento em 1993.

Chamado Espaço Cultural Renato Russo (ECRR) desde 1999, o local, que é gerido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), passa a abrigar agora um lugar dedicado aos quadrinhos, batizado de Gibiteca TT Catalão. Trata-se de homenagem a seu fundador, o jornalista, poeta e ativista cultural Vanderlei dos Santos Catalão, falecido em 2020. Na criação da gibiteca, ele doou sua coleção de quadrinhos para o equipamento público.

Depois de receber investimento de R$ 80 mil em novo mobiliário e identidade visual, a renovada gibiteca conta com 120 metros quadrados, que abrigam 23 mil exemplares de diversos gêneros: HQs de super-heróis, mangás, gibis infantis egraphic novels.

“A Gibiteca TT Catalão reabre como uma das mais importantes do país, com acervo vasto e raro. Queremos estimular a difusão de um polo de criadores no DF”, anuncia o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

O local conta com nova decoração, composta por 20 quadros pintados pelo ilustrador e quadrinista pernambucano Jô Oliveira, uma referência da nona arte no Brasil. As ilustrações dele já estiveram nas paredes da Biblioteca Demonstrativa de Brasília, ligada ao governo federal, na 506/507 Sul, que ficou fechada entre 2014 e 2021 e desativou o espaço outrora dedicado a HQs, o que motivou o artista a recuperar os trabalhos, doando-os à Secec.

Na entrada da gibiteca, há um mural assinado pelo ilustrador, quadrinista, doutor em comunicação social e professor universitário Raimundo Lima Neto que registra o testemunho dele sobre o espaço como ponto de encontro dos aficionados por HQ.

“No Espaço Cultural da 508 Sul, eu frequentei a gibiteca, participei de eventos de RPG (Role Playing Games, jogos de representação), assisti a exibições de desenhos animados japoneses e compareci aos encontros dos fã-clubes das séries Arquivo X e Star Trek’”, conta Lima Neto.

Exposição

Para comemorar a reinauguração da gibiteca e celebrar a importância do local na formação de artistas locais, a gerente do Espaço Cultural Renato Russo, Marmenha Rosário, programou uma exposição na Galeria Parangolé (voltada para a avenida W3), com 41 trabalhos de 25 autores.

Jô Oliveira participa da exibição com dois trabalhos: uma ilustração sobre o romance Grande Sertão, Veredas, de Guimarães Rosa, e uma capa da revista Risco, criada por artistas gráficos da capital federal e do círculo da Universidade de Brasília (UnB).

A publicação independente teve três edições nos anos 1970. Jô estudou na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) na década de 1960 e saiu do país na década seguinte, indo cursar a Escola Húngara de Desenho Industrial.

O ilustrador pernambucano tem grande influência do traço do cordel, que o inspira em muitos trabalhos. Entende que seu desenho é marcado pela arte naïf, um conceito que designa a produção artística autodidata. Ele, que também estudou animação, conta que na biblioteca da instituição húngara foi muito influenciado por ilustrações de bíblias medievais.

Historiador, ilustrador e cartunista, Luigi Pedone também participa da mostra. Com duas dezenas de livros publicados, deu oficinas no ECRR entre 2009 e 2012. “Eu matava aula para ir para a 508 Sul num momento muito bom do espaço cultural, quando o diretor era o TT Catalão. O Gersion (de Castro) ficava lá. Eu saía da gibiteca para ir para a aula de desenho. Ficava a tarde toda lá. Foi uma escola para artistas como eu”, conta.

Gersion de Castro, artista plástico brasiliense e especialista em educação e patrimônio cultural e artístico, é servidor da carreira de atividades culturais há 28 anos e realiza curadoria de mostras desde 1998. Em 2000, ele deu início a uma série de mostras coletivas e individuais com o projeto Gibiteca em Movimento.

“Fui convidado, no ano passado, a ajudar na pesquisa histórica para a reabertura da gibiteca. Assim, propus a realização de mostra de desenhos, reunindo antigos frequentadores do Renato Russo, convidando desenhistas de mostras que realizamos há 22 anos e também novos desenhistas para essa mostra coletiva”, explica Gersion.

Marmenha fala emocionada sobre devolver a gibiteca ao público da cidade: “É um local de afeto, importante na formação de gerações e que proporcionou transformações por meio da cultura. Esperamos, com a nova gibiteca, reativar esse potencial mais uma vez”.

Serviço

Gibiteca TT Catalão
Espaço Cultural Renato Russo (508 Sul, Bloco A)
Cerimônia de reabertura da Gibiteca: quinta-feira (21), às 15h
Visitação da exposição: até 5 de junho

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa