escute ao vivo todos os dias!

Sinalização viária é instalada no Túnel de Taguatinga

Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Primeiras placas fixadas nas paredes indicam velocidade máxima adotada na passagem subterrânea

Sessenta quilômetros por hora. As placas que indicam a velocidade máxima a ser praticada no Túnel de Taguatinga começaram a ser instaladas. A passagem subterrânea terá 12 delas – seis no lado sul, que leva para a Estrada Parque Taguatinga (EPTG), e seis no sentido oposto, usado por quem deseja chegar à Avenida Elmo Serejo. Até o momento, oito avisos já foram fixados nas paredes do complexo viário.

O Túnel de Taguatinga terá um total de 20 placas de sinalização viária. Enquanto 12 delas indicam a velocidade máxima, oito informam sobre condutas de trânsito que devem ser adotadas pelos usuários. “Quatro placas pedem para que os faróis do veículos sejam acesos; as outras quatro determinam que é proibido buzinar no interior do complexo”, detalha o engenheiro civil André Borges.

‌Além da sinalização viária, a passagem subterrânea também tem placas dedicadas a situações de emergência. Os avisos que indicam as rotas de fuga, por exemplo, foram instalados no fim de abril. Nas cores verde e branca, essas placas apontam os caminhos possíveis para evacuar o Túnel de Taguatinga em caso de necessidade.

“As portas corta-fogo do complexo viário também receberam diversos avisos”, relata André. “Alguns indicam o sentido de abertura delas, outros informam que os acessos devem ser mantidos fechados quando não estão em uso. Temos, ainda, placas que indicam a localização de hidrantes e de extintores, entre muitas outras.”

‌O engenheiro civil observa que todas as sinalizações são instaladas seguindo orientações do Corpo de Bombeiros, que faz vistorias periódicas à obra viária. “Eles verificam se as placas estão no lugar correto e solicitam mudanças, caso haja necessidade”, completa.

fonte/foto: ‌Sinalização também é utilizada para orientar o público sobre o que fazer em situações de emergência | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Carolina Caraballo, da Agência Brasília | Edição: Chico Neto

agencia Brasilia